Negociação da convenção coletiva de trabalho em tempo de crise

Negociação da convenção coletiva de trabalho em tempo de crise

    Várias reuniões do Conselho do Comércio Varejista e, do Conselho de Assuntos Sindicais já foram realizadas nos últimos meses na Fecomércio-SP, onde se reuniram sindicalistas patronais de todo o Estado de São Paulo, para tratar nas negociações da convenção coletiva do comércio 2015-2016.
    Foi colocado, que num ano de crise, com quedas nas vendas, em que as empresas acumulam perdas significativas, inclusive com redução do quadro de funcionários, muitos estabelecimentos correm o risco de fecharem as suas portas.
     As entidades sindicais patronais estarão assumindo um posicionamento mais enérgico com relação ao índice de reajuste salarial, não fixando ou apontando para um percentual de reajuste dos pisos salariais a ser trabalhado. Isso, em função das incertezas do atual cenário político e econômico que o país está atravessando. Um reajuste salarial é inviável, considerando que a obrigatoriedade de reajuste apenas prejudicaria ainda mais a manutenção dos postos de trabalho já existentes, devendo ainda, ser incluída na pauta de negociações a discussão sobre a flexibilização da jornada de trabalho em função dessa crise.
    Muitas reuniões já estão sendo realizadas a nível estadual pelos sindicatos para coletar opiniões e ouvir as principais dificuldades enfrentadas pelo empresariado do setor. Assembleias serão convocadas para formatar uma proposta que espelhe a média do pensamento empresarial, e posteriormente, serão levadas para discussão na mesa de negociações, cuja tônica, deverá ser a sustentabilidade dos estabelecimentos e, a preocupação com a manutenção dos empregos dos trabalhadores.
    A crise atual é uma preocupação generalizada, nós empresários estamos sentindo na pele a realidade econômica que o Brasil está passando, que está sendo sentida também intensamente pela população em geral. Com a inflação em alta, aumento constante dos juros e das taxas de serviços, e o elevado custo de vida, com a consequente queda da renda e do poder aquisitivo dos trabalhadores, proporcionaram a queda nas vendas no varejo, registradas nos últimos meses.
 
Gener Silva
Presidente do Sincomércio de Araçatuba e região
Vice-Presidente da Fecomércio-SP